terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Foi feriado. E então?

Corrigi testes. Preenchi grelhas de avaliação. Preparei aulas.
Atrevo-me a dizer que trabalhei mais horas do que se estivesse fisicamente na escola.
Estou exausta.
E eles também!
Período demasiado longo, sem uma interrupção. Estão fartos e anseiam pelas férias.
Eles e nós!
Se as maioria das pessoas tivesse noção do desgaste físico e não só que todos trazemos olhariam para a escolas, para os professores e até para para os horários dos aluno, seus filhos, pediriam concerteza menos tempo letivo.
Sim. Porque ao contrário de outras profissões que conheço desde que se inicia a aula não há pausa para café, para dois dedos de conversa com colegas de secretária ao lado, não há pausa para saber as novidades do face...
Mas se não há essas pausas para nós, também não as há para eles, que chegam a ter 8 horas letivas com pequena pausa a meio da manhã e para almoço. É dose! Poderá exigir-se que estejam sempre atentos, sossegados e concentrados? Não não podemos! Porque precisam de espaço. Precisam de correr, brincar, descansar. Mas não têm tempo!
Ultimamente penso tanto nisto!
Estou exausta, preciso fazer uma pausa.
Eu e eles!
E não. Não me queixo. Foi a profissão que escolhi! Mas questiono-me quando têm as nossas crianças tempo para ser crianças...

1 comentário:

  1. Também acho que é demais! Deviam ter mais tempo para brincar.

    ResponderEliminar